Por que as meninas ficam com inveja

Quando as insuficiências pessoais se tornam evidentes e impossíveis de serem gerenciadas

2019.07.27 00:48 Tinyze Quando as insuficiências pessoais se tornam evidentes e impossíveis de serem gerenciadas

Essa deve ser a quarta vez que começo a escrever esse desabafo. Porém, sempre paro na metade ou escrevo tudo o que precisava “vomitar” e apago, tamanha a vergonha de perceber a habilidade que meu subconsciente tem de jogar contra mim mesmo. Porém, tamanha a aflição que isso me causou hoje, resolvi ir até o fim.
Eu sempre fui o tipo de pessoa mais introspectiva, que veste a máscara do “nerd”, com um pouco de dificuldade em termos de socialização, sem amigos (no máximo colegas), e que nunca sentiu a famigerada paixão por outra pessoa.
Comecei a sair dessa zona de conforto há dois anos atrás, principalmente por conta da minha sexualidade, por necessidades sociais, medo de ficar velho e solitário, entre outras carências. Apesar de fazer coisas que nunca imaginei que faria e conhecer pessoas que nunca achei que conheceria, sempre volto para essa redoma de solitude, de uma forma ou de outra. Apesar de serem claras as faltas que essa realidade evidencia na minha vida, parece que essa é minha origem e o único lugar em que me sinto realmente quem sou.
Não foi diferente no meu local de trabalho. Durante o meu estágio, depois de me formar, e agora, após quase dois anos trabalhando nessa empresa, minhas atividades sempre foram bem “solitárias”, focadas em problemas específicos que me proporcionaram oportunidades de crescimento e mudanças... Pelo menos esse era o ambiente, até poucos meses atrás.
Como fui ganhando novas responsabilidades, foi necessário que uma pessoa fosse contratada para me auxiliar. E assim foi feito. Apesar de demorar pegar o jeito, o menino contratado está dando conta do trabalho. E quando não está realizando atividades em outros setores ou me auxiliando, está junto de mim. Desde o dia em que começou a trabalhar, fomos ganhando intimidade, passamos a compartilhar pensamentos e opiniões sobre o mundo e sobre os outros (algo me faz sentir extremamente vulnerável), trocar experiências e conhecimentos.
Sinto uma liberdade para falar sobre quase todo assunto com ele. Falamos de roupa, moda, depilação, trabalho, sonhos, problemas familiares – e dele com a namorada - com muita naturalidade e, eu imagino, de maneira confortável para ambos. Olhamos um ao outro usando o celular e mandando mensagens pelo Whatsapp. Chegou ao ponto de me chamar para dividir um apartamento, mas para manter o distanciamento entre vida particular e trabalho, recusei inventando uma desculpa qualquer.
Se eu tivesse que elencar a coisa que mais me confortável quando perto dele, seria a ausência do arquétipo do menino com a heteronormativiade tóxica (Apenas perto de mim, conforme já reparei). Aliado esse apreço, também sinto uma atração física descomunal por ele. Apesar de ele estar relativamente longe do que as pessoas julgam como o padrão de beleza ideal, eu acho realmente difícil acreditar da capacidade da natureza em gerar um ser completamente simétrico, desenhado pelas mãos de um ser superior ou algo do tipo, como ele é.
Situações em que nossas pernas se encostam, em que os nossos corpos ficam tão próximos que sinto o seu cheiro doce, que nossas mãos se tocam quando ele me leva um copo de café, ou quando ele pede para sentir algo na sua mão se tornaram algo muito bom para mim. E apesar de existir culpa por estar cruzando algum limite ético e profissional, ela não diminui a atração e prazer nesses atos.
Neste ponto já me sinto extremamente envergonhado de mim mesmo, pois apesar de tentar me afastar desse arquétipo, meus relatos e sentimentos aqui expostos não são nada mais nem menos que o típico gay que sente atração por um hétero. Sempre achei isso a coisa mais degradante que podemos fazer, porque em última instancia, estamos desejando alguém que na realidade não entende o que você sente e até te despreza.
Uma situação, porém, mostra como sou um ser faltante em diversos aspectos. Após algumas semanas trabalhando na empresa, ele começou a falar com uma menina, que logo teve que sair pois precisará se mudar de estado. Percebi que ele começou a ficar mais discreto quando mandava mensagem e logo entendi que era para ela, e sempre desconversava. Não tinha o número adicionado e apagava a conversa. Obviamente por conta dos ciúmes por parte da namorada. Hoje, no dia em que ela está se mudando de fato, percebi que ele respondia um “textão” no final da tarde. Isso deixou ele bem pensativo, e me deixou com um sentimento horrível no estômago.
Em uma análise rápida penso que isso não é nada mais do que ciúmes. Inveja de algo que eu nunca vou poder sequer chegar perto. Desejo ou interesse que nunca serei capaz de experimentar.
Penso também que a heterossexualidade dele me agride de alguma forma nesse aspecto. Assim como me senti agredido pela sua beleza quando o vi, o fato de fazer algo digno de louros – pegar a menina que todos acham linda – e estabelecer sua imagem de poder e masculinidade me diminui no meu local de trabalho.
Ou também me sinto mal por ele não compartilhar isso comigo. Talvez até ofendido, por ele menosprezar o respeito e cumplicidade estabelecidos. Ou mesmo mal pela namorada dele, a qual tive a oportunidade de conhecer e conversar.
De qualquer forma, sendo só a alternativa mais simples, ou todas, ou nenhuma delas, essa situação evidencia o ser faltante que sou. A necessidade em possuir um vínculo de amizade sincero e natural, o complexo de inferioridade, o desejo sexual reprimido, a necessidade instintiva de romantizar tudo... Enfim.
Talvez deva perguntar naturalmente sobre esse fato para ele, com um amigo faria. Talvez deva criar um distanciamento e “enxotar” do meu ambiente cada vez mais. Talvez deva guardar esse fato e jogar na cara para forçar um distanciamento. Talvez não deva fazer nada e continuar sentindo esse incômodo e agonia.
Essa situação é extremamente desconfortável e paralisante, pois além de estar sofrendo por algo que só existe na minha cabeça, coloco minha única chance na vida, meu desempenho e a minha carreira, muito próximos de irem para o ralo, por conta de "necessidades" que sempre estiveram fora do ambiente de trabalho. Se eu der mais “pinta” do que já dou, a equipe homofobica não irá hesitar em destruir minhas chances na empresa.
A vida era mais simples quando eu só precisava jogar Skyrim e estudar.
submitted by Tinyze to desabafos [link] [comments]


2016.09.15 13:07 PM_ME_LESBIAN_GIRLS Eu traduzi um video para um projeto. Alguém pode me dar feedback?

link do video
Vocês se conhecem em uma festa. Vocês são jovens, provavelmente por 17-19 anos. Vocês já transaram com outras pessoas, mas sempre foi um pouco… Desajeitado. Vocês acham desculpas para andarem juntos, e fingem ser amigos. Ela tem uma pequena marca de nascença no pescoço que você repara, mas não menciona. Você começa a pensar nela um pouco, depois bastante, daí o tempo todo. Você para de dormir direito, e de comer direito, e qualquer música que você está escutando naquela época vai ser tão vinculada a ela que em 20 anos essa música vai tocar e, por somente um segundo, você vai se lembrar exatamente como você se sente agora. E em algum ponto, provavelmente envolvendo álcool, vocês vão tirar as roupas, e agora você está fodido de verdade, porque você não pode mais se esquecer dela. Você não tinha ideia que você poderia se importar tanto com uma pessoa, e nada pode arruinar isso, e qualquer pessoa que te diz o contrário é um idiota. Você não tem nem sequer 20 anos e você já achou o amor de sua vida, quanta sorte é isso? Você provavelmente está negligenciando seus trabalhos, não está dormindo o suficiente, mas isso não importa. Você conhece bem os pais dela, e ela conhece os seus, e vocês já tentaram todas as posições sexuais que existem, e agora o sexo é mais relaxado, ao contrário de antes, que era algo que vocês pensavam em fazer o tempo todo. Vocês tem grandes planos, e nada pode arruinar isso.
Ela te mostra novas músicas que você provavelmente não iria dar menor importância antes, mas que agora você meio que gosta. Você conta para ela sobre suas coisas, e ela finge se importar de maneira bem convincente. Vocês começam a morar juntos, porque… Bem, porque não? Vocês ficam acordados até tarde, vocês bebem, vocês transam, às vezes você a vê dormindo de manhã e de repente toda aquelas poesias de bosta que você precisava ler na escola começam a fazer sentido.
Você não acredita em destino ou merdas como isso, mas você começa a entender o porquê de algumas pessoas acreditarem. E um dia ela olha para outra pessoa, dá uma risada, ou ri e você sente essa ferroada no seu cérebro. Bem vindo à inveja, é meio que normal. Você não menciona para ela, pois você não é completamente insano. Ela provavelmente se sente da mesma maneira sobre você, e isso é legal.
Vocês dois arranjam trabalho, vocês se estressam, vocês se cansam, vocês assistem bastante TV juntos, vocês não transam tanto, mas ei, o que você esperava? Vocês conversam sobre arranjar um cachorro, ela menciona um certo cara no trabalho que manda uns e-mails engraçados, e você decide mata-lo, mas rapidamente se lembra que isso é ilegal. Você começa a correr de tarde, e você começa a reparar nessa garota, que geralmente está correndo na mesma hora que você. Ela é meio bonita, mas foda-se. Vocês dois passam menos tempos juntos de tarde. Você se esqueceu como é a sensação de borboletas no estômago. Você menciona isso para um cara que está casado há anos que você conhece, e ele diz que isso é o que acontece, você não pode ficar preso à esses sentimentos para sempre. Isso te assusta um pouco, mas tudo bem, tudo vai ficar bem, e nada pode arruinar isso.
Você está nos meados dos 20 anos, e alguns dos seus amigos da escola estão virando arquitetos, médicos, e você… Não está. Você queria ser um… Sei lá, mas você não praticou isso em anos. Você começa a praticar, ou começa a planejar a fazer um comércio, ou fazer mestrado. Ela parece completamente desinteressada nisso. Ela começa a fazer piadas de bebê, ou começa a falar sobre comprar uma casa. Você não quer uma casa ou um bebê ainda, porque você ainda não é aquela coisa que você queria ser. E você já tem 25 anos, e 30 é um número bem grande que parece que está se aproximando rapidamente.
O sexo meio que virou rotina agora, e você começa a se perguntar se virou uma tarefa para ela. Vocês ainda ficam juntos, e isso é legal, mas você começa a se preocupar que têm algo faltando. Os dois experimentam com lingerie, vão em aventuras elaboradas, e isso é divertido por um tempo. Você começa a correr mais, e você vê aquela menina no parque. Tem algo meio que sobrenatural sobre ela. Ela para para respirar, e você também. Você diz oi, ela diz olá. Ela é inteligente, meio que te fala quando está exagerando, e você gosta disso nela. Você volta a correr e tenta tirar ela de sua cabeça, mas agora você se lembra da sensação de ter borboletas no estômago.
Você volta pra casa. Você cozinha a mesma janta que você cozinhou na noite anterior, e na noite antes dessa. Vocês conversam sobre nada, ela menciona que aquele cara do trabalho quer te conhecer, e você responde dizendo que aquele cara do trabalho pode se foder 1.000 vezes no inferno. Vocês ficam com um silêncio constrangedor por um tempo, daí vocês assistem um pouco de TV. E mais TV. E vocês vivem assim por mais um ano, e isso é tranquilo, e nada pode arruinar isso. Nunca.
Um de vocês transa com outra pessoa. Ou perde a paciência de vez. Ou menciona que vocês deveriam dar um tempo, ou começam a ficar distantes, ou param de falar sobre o futuro, ou sei lá o que for. Seja você que tenha terminado com ela ou não, vocês nunca mais vão acordar juntos, ou tirar as roupas dela, ou ter um argumento bêbado sobre a União Europeia, ou se cães podem olhar para cima ou não. Você vai pra cama, e de repente a cama cheira como ela de uma maneira que você nunca tinha reparado. Musica é uma bosta, comida é uma bosta, e todo mundo é uma bosta, não importa o quão legais eles estão sendo com você. E você sabe que você fez um erro terrível. Nada poderia arruinar isso, e agora tudo está fodendo arruinado. Você bebe bastante whiskey, você não parece conseguir dormir mais de algumas horas. Alguém menciona que ela está andando bastante com sei lá como é o nome daquele cara. Você brevemente imagina eles transando, e você decide fazer outra coisa. Você começa a jogar bastante videogames, e você descobre que sim, na verdade você tem amigos, e eles estão pacientemente esperando por você por fodendo anos agora. Eles escutam a sua baboseira educadamente pois já tiveram términos antes. Eles oferecem uma atitude bacana, coisas como “Existem outros peixes no oceano”, etc. Mas você não acredita neles porque eles não amaram como você amou. Ninguém amou como você amou.
Você e ela trocam mensagens passivo-agressivas sobre você pegar sua guitarra de volta ou qualquer coisa assim, e vocês se encontram para trocarem seus pertences. É uma boa sensação ver ela de novo, afinal você já superou ela, e ela não tem menor poder sobre você, e você vai logo continuar com sua vida. Vocês transam, e literalmente um minuto depois você percebe a cagada que você fez. Vocês continuam a transar por mais um tempo. Você começa a pensar em voltar o relacionamento com ela. Ela faz umas cagadas pra cima de você, ou você pra cima dela, e de repente você para de pensar em voltar o relacionamento com ela.
Vocês argumentam. Você diz coisas horríveis à ela, o tipo de coisa que você nunca iria se imaginar falando para seu pior inimigo. Você joga mais videogames, você bebe mais uísque, você escuta aquelas músicas que você gosta. As coisas estão indo bem com uma garota que você conheceu no trem, mas você não consegue se imaginar dormindo com outra pessoa. Você brevemente começa a comer saudavelmente, coisas assim, como benefícios de ter 17 seções de 1 hora de pornô por dia. Você começa a praticar aquela coisa que você ama. Você fica bem bom naquela coisa que você ama. Você se lembra como é se sentir humano. Alguém fala de uma morte que ocorreu na sua familia e você percebe que você não tem motivo algum para se sentir triste. Não de verdade.
Com o passar do tempo as pessoas te contam das próprias histórias de término de namoros, e algumas são bem, bem piores que as suas, e, de novo, você percebe que você não tem absolutamente nada sobre o que se sentir triste. Não de verdade. E, sutilmente, tão sutilmente que você nem percebe, você volta a ser você.
E um dia, do nada, aquela menina que você conheceu correndo te convida para sair. E você percebe uma pequena marca de nascença no seu ombro, mas você não menciona. Você para de dormir direito, e de comer direito, e qualquer música que você está escutando naquela época vai ser tão vinculada a ela que em 20 anos essa música vai tocar e, por somente um segundo, você vai se lembrar exatamente como você se sente agora. Música volta a ser boa. Comida volta a ter gosto bom. Nossa, o que era aquilo antes? Por que eu estava sendo uma bichinha? Logo logo vocês dois estão andando juntos todo dia, e você não consegue se lembrar a última vez que você se sentiu tão vivo. O tempo todo era isso que você precisava fazer? Ou talvez você só está repetindo o mesmo padrão de novo, mas cara, a sensação é tão incrível. Talvez tudo isso seja só um jogo estúpido, mas você não se importa. Você não se importou última vez, porque agora, você está certo disso. Mais certo que tudo que você já fez na sua vida, e qualquer pessoa que te diz o contrário é um idiota. E nada pode arruinar isso. E nada pode arruinar isso. E nada pode arruinar isso. E nada pode arruinar isso. E nada pode arruinar isso. E nada pode arruinar isso. E nada pode arruinar isso.
submitted by PM_ME_LESBIAN_GIRLS to brasil [link] [comments]